Programa Florianópolis Capital Lixo Zero é apresentado em Congresso Internacional

Iniciativa torna o município pioneiro entre as cidades brasileiras

Com a incumbência de formatar uma proposta viável para destinação correta dos resíduos sólidos para Florianópolis, o superintendente municipal de Habitação e Saneamento Lucas Arruda e o coordenador-geral do Grupo Interinstitucional para a Gestão dos Resíduos Sólidos (GIRS) Hélio Leite, apresentaram no Congresso Internacional Cidades Lixo Zero, o decreto que institui o programa Florianópolis Capital Lixo Zero no município.

Na tarde da última segunda-feira (4), foi publicado no Diário Oficial o decreto nº 18.646 que torna finalmente Florianópolis pioneira entre as cidades brasileiras com a proposta de lixo zero. Há anos que o GIRS e a Prefeitura lutam para mudar a forma de gerenciar os resíduos no munícipio. As preocupações com a destinação correta dos materiais coletados têm múltiplas motivações e vão desde a preservação do meio ambiente a questões econômicas e geopolíticas.

De acordo com o superintendente municipal de Habitação e Saneamento, Lucas Arruda, o programa pretende implementar uma mudança de comportamento dos florianopolitanos para alcançar índices de reciclagens compatíveis com os tipos de resíduos produzidos na cidade. “Temos em média 1/3 de lixo orgânico e 1/3 de lixo reciclagem. Com a separação correta desses dois materiais eles podem se tornar 100% reintegrados na cadeia produtiva”, explica Arruda.

Outro ponto importante é que o programa Capital Lixo Zero não se limita a discutir somente reciclagem, mas também o comportamento de utilizar os resíduos que atualmente se tornam rejeitos, além de debater dentro das organizações empresariais a viabilidade de métodos eficientes para que a produção destes resíduos seja reaproveitada em outros tipos de materiais.

Para contribuir neste importante processo de implementação, o decreto ainda estabelece o reconhecimento do GIRS, que terá a incumbência de prestar consultoria nas ações do programa social que imerge de uma iniciativa popular.

Segundo o coordenador do GIRS, Hélio Leite, antes de pensar no reaproveitamento de todo material com a filosofia do lixo zero, é importante ter a reflexão do que é necessário gerar, e a partir deste pensamento praticar o consumo consciente e suficiente e não a geração de resíduos.

Voltar

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Ver mais notícias