IMPRENSA | Notícias |

CDL de Florianópolis participa de reunião com comerciantes da rua Victor Meirelles

Poder Público ouve empresários e adota ações de segurança na região Leste do Centro Histórico da Capital

Depois do lamentável episódio na Avenida Hercílio luz na última sexta-feira (9), comerciantes da rua Victor Meirelles e entorno, se reuniram na tarde desta terça-feira (13) na CDL de Florianópolis com o Ministério Público de Santa Catarina, Polícia Militar, Guarda Municipal e Prefeitura em busca de uma solução conjunta para restabelecer a ordem após o fechamento natural dos bares e restaurantes da região. A CDL da Capital participou do encontro conduzido pelo Promotor de Justiça Daniel Paladino, devido o assunto afetar diretamente a região leste do Centro Histórico – local que a entidade busca incessantemente pela revitalização e ocupação saudável do espaço público.

Dezenas de empresários relataram a perturbação do sossego após o fechamento do comércio estabelecido na região (por volta das 2h da manhã, de acordo com os alvarás), e que a partir deste horário os ambulantes irregulares assumem o comércio clandestino com venda de bebidas e grupos de pessoas que se instalam ao longo da via com som alto.

Segundo um empresário da região (não quis se identificar), a ocupação desordenada dos ambulantes ilegais ocorre há meses, desde o carnaval deste ano, e que os donos dos estabelecimentos e funcionários estão com medo, pois se sentem ameaçados pelas pessoas que usufruem dos serviços dos irregulares. “Precisamos de mais segurança para coibir ações de pessoas mal intencionadas e cortar o mal pela raiz antes que ocorra uma fatalidade”, desabafou.

Durante o encontro, ficou estabelecido como medidas imediatas o reforço na iluminação pública, fiscalização e abordagem dos ambulantes ilegais, ocupação do espaço público por parte dos comerciantes com mesas e cadeiras em frente ao estabelecimento, placas de proibido estacionar a partir das 22h no entorno da Avenida Hercílio Luz e poda das árvores.

De acordo com o Promotor de Justiça, Daniel Paladino, as ações serão implementadas de forma imediata e que daqui a 30 dias terá uma nova reunião para reavaliar as medidas ou, se necessário, aplicar novas ações para coibir o tumulto e a desorganização na região.

Para o gerente de Articulação e Negócios da CDL de Florianópolis, Hélio Leite, a fiscalização por parte do poder público precisa ser mais efetiva para coibir esse tipo de situação. “Com essa situação sofre o empresário regular estabelecido por falta de segurança e sofre os moradores com a perturbação do sossego. A ordem precisa ser restabelecida para que a região prospere sem causar danos ou prejuízos a toda uma sociedade”, afirmou Leite.

Foto: André Coelho/Divulgação ND.

Voltar