ASSOCIADO |

Comportamento do Consumidor

Consumidores agem por impulso, compram em excesso e se arrependem logo depois, não chegando a usar o produto nenhuma vez. Pesquisas do SPC Brasil apontam o comportamento do consumidor:
Comportamento de consumo em determinadas situações
 


 

DICAS
1. De acordo com sua renda, evite comprar produtos de marca, eles são mais caros e não são essenciais à sua vida. Procure marcas alternativas, que não são tão caras e atendam a seus objetivos. Isso não quer dizer ficar mal vestido ou fora da moda.
2. Muito cuidado com as chamadas “compras por impulso”. Elas satisfazem apenas a um desejo momentâneo. É bem provável que, em pouquíssimo tempo, você, já decepcionado, se dê conta de que o produto adquirido não traz a satisfação que parecia trazer no momento da compra. E o que é pior: podem desorganizar e piorar sua situação financeira.
 

TIPOS DE DÍVIDAS

É muito fácil ficar endividado, pois existem vários apelos de compras. As dívidas mais comuns são as do cartão de crédito e a do cheque especial. Elas funcionam como um dinheiro disponível, que a gente acaba não resistindo e usando.
Confira abaixo os tipos de dívidas mais comuns:


Mas há também a dívida da financeira, do crédito consignado, dos cartões de lojas, do cheque pré-datado e até do empréstimo de amigos ou familiares.
 

TIPOS DE CONTAS MAIS ATRASADAS SEGUNDO PESQUISA SPC BRASIL

Segundo pesquisa do SPC Brasil, 38% das pessoas inadimplentes estão com dívidas em cartões de crédito ou cartões de loja. Outros 19% estão dependurados em cheques pré-datados ou carnês de loja. Essas dívidas geralmente são provenientes de compras à prazo feitas sem planejamento.
Ainda, 90% das pessoas que devem admitem que já estão com mais de três meses de atraso. Ou seja, já perderam o controle das suas contas.
Fique de olho nos seus gastos, pois isso pode acontecer com todos.
 

FIQUE LIVRE DAS DÍVIDAS
A primeira coisa a se fazer para organizar a vida financeira é pagar as dívidas. Comece pelas mais elevadas e que têm os juros mais altos, como as do cartão de crédito e do cheque-especial. Procure reduzir o valor das prestações e deixe por último as dívidas menores.
 

CRÉDITO NÃO É RENDA
Lembre-se de que o crédito obtido em banco com empréstimos, cheques especiais ou em cartões não pode ser considerado como um dinheiro extra que complementa o seu salário, com se fosse renda. O crédito requer cuidados, pois ele passa essa sensação de ser renda. E, por isso, muita gente não resiste em usá-lo.
A partir do momento em que você usa esse crédito, e não paga, ele vira dívida – e aí começam os problemas.
 

NÃO EMPRESTE O NOME E NEM DINHEIRO PARA AMIGOS E PARENTES
Não dê créditos a terceiros. É muito comum um amigo ou parente pedir dinheiro emprestado. Se você está no sufoco, não pode se dar ao luxo de “dar uma força” a alguém, mesmo que seja um parente próximo.
Esse tipo de comportamento é frequente, inclusive para quem está inadimplente (com dívidas a pagar). Segundo pesquisas do SPC Brasil, 20% de quem deve ainda empresta dinheiro a terceiros. E, desse total, 96% não se resguarda, fazendo algum tipo de contrato. Fica tudo “em nome da amizade”, inclusive a dívida. Evite isso, sempre!

20% das pessoas inadimplentes possuem o hábito de emprestar o nome. Como se resguardam?
 



Ainda segundo os dados das Pesquisas do SPC Brasil, as principais dívidas que levam o nome dos devedores para as listas de proteção ao crédito são as contraídas com cartão de crédito (46%), com os bancos (40%) e com os cartões de lojas (34%). Tenha cuidado com o excesso de compras, confira em seu orçamento se você terá condições de realizar todos os pagamentos.
 

DICAS
1. O crédito (ou o dinheiro tomado emprestado) deve ser usado com muito cuidado. Quando você o utiliza, não basta saber se a prestação vai “caber” na sua renda. É preciso ter noção do quanto está pagando de juros, pois eles são muito altos. E você deve saber também o tempo que vai levar para pagar toda a dívida.
2. Evite entrar no cheque-especial. Esteja atento ao real valor do seu saldo bancário, desconsiderando o limite disponível do especial. Este dinheiro não é seu e, usá-lo, vai lhe gerar mais uma dívida.
3. Só use o cartão de crédito se tiver com seu orçamento sob controle e com a certeza de que terá o dinheiro para realizar o pagamento integral da fatura.
4. Pergunte sempre pelo preço à vista e negocie um desconto.

PERFIL DO CONSUMIDOR CONSCIENTE
O consumidor consciente é aquele que:
– Quando vai comprar qualquer produto, leva em conta o cuidado com o meio ambiente e até com os animais.
– Planeja suas compras antes de fazê-las;
– Não compra por impulso;
– Sabe utilizar o crédito de maneira consciente e equilibrada;
– Sabe que cada ato de consumo implica escolhas importantes, que têm reflexos na vida da comunidade em que vive;
– Se preocupa com o preço e qualidade do produto e não se torna um refém das marcas;
– Sabe que o consumo não é um ato puramente individual – ele tem consequências para a vida de outras pessoas;
– Sabe que cada ato de consumo tem impactos para ele próprio, para as outras pessoas, para o meio-ambiente;
– Se preocupa em buscar o equilíbrio entre satisfação pessoal e sustentabilidade quando consome;
– Busca divulgar as práticas de consumo consciente.


Fonte: Meu Bolso Feliz - Portal de educação financeira do SPC Brasil